Opéra Garnier

© Paris Tourist Office -David Lefranc
© Paris Tourist Office -David Lefranc

A Opéra de Paris, também conhecida como Opéra Garnier, é um dos monumentos mais belos da capital. Sua história remonta ao século XVII, quando o jovem rei Luís XIV funda a Academia Real de Dança. Esta instituição tinha por missão formar dançarinos e músicos e é considerada o ponto de partida para a fundação da futura Opéra de Paris.

A ARQUITETURA
O prédio que hoje fica no 9°distrito de Paris foi construído durante a grande reforma urbana da cidade, promovida por Napoleão III e o então prefeito, o barão Haussmann, em meados do século XIX.
Inaugurado em 1875, o edifício foi projetado pelo arquiteto francês Charles Garnier para receber espetáculos de teatro, dança e ópera. Em seu interior, uma escada lindíssima em mármore branco leva os espectadores até a sala principal do teatro. Pelo caminho, colunas, estátuas, afrescos, mosaicos, veludos, mármores coloridos e detalhes folheados a ouro completam a decoração. A sala principal acolhe quase 2000 espectadores. No teto, o famoso lustre de quase oito toneladas ilumina a obra magnífica de Marc Chagall. Realizada em 1964, a pintura é composta por doze quadros diferentes em volta de uma tela central e homenageia quatorze compositores, entre eles, Mozart, Wagner, Verdi, Beethoven, Ravel e Tchaïkovski.

O FANTASMA DA ÓPERA
Em 28 de outubro de 1873 um incêndio no conservatório da Rua Le Peletier mata uma bailarina e deixa o seu noivo Ernest, um jovem pianista, com o rosto desfigurado. Triste pela perda de seu grande amor e pelo rosto deformado, o rapaz decide se refugiar nos subterrâneos da Ópera Garnier, que estava nessa época em plena construção. Ele fica ali até a sua morte – embora o seu corpo nunca tenha sido encontrado. Segundo a lenda, vários acontecimentos misteriosos estavam ligados à presença de Ernest no local, que ganhou o apelido de fantasma da ópera. Um deles foi o acidente com o lustre da sala de teatro que, em 1896, cai sobre a plateia e mata o espectador que estava sentado na cadeira de número 13.
Em 1910, o escritor francês Gaston Leroux se inspira nessa lenda para escrever o famoso romance “O Fantasma da Ópera”, obra de grande sucesso que foi inúmeras vezes representada nos palcos e no cinema.

RESTAURANTE
No interior da Opéra fica um restaurante com boa relação qualidade/preço onde são servidos pratos variados como o cordeiro assado com mil-folhas de berinjela, abobrinha e tomate. Desenhado pela arquiteta Odile Decq, seu projeto contemporâneo contrasta de forma interessante com a suntuosidade do mítico teatro. Aberto todos os dias de 8h à 0h (segunda e domingo até 23h), o lugar charmoso e tranquilo é uma boa pedida para tomar um café da manhã ou jantar após o espetáculo. Aos domingos serve brunch das 12h às 16h (a partir de 38€).

LOJA
A Galerie de l’Opera de Paris é uma loja que vende livros, CDs, DVDs, brinquedos, jogos, roupas, tudo relacionado ao universo da dança, teatro e ópera. Abre todos os dias das 10h às 18h30.

Aqui no Le Plat du Jour já foi publicado um passeio em vídeo pelo interior da Opéra Garnier e, de quebra, a receita de um doce que leva o mesmo nome deste monumento. Para assistir, clique aqui. 

COMO ACESSAR
Opéra Garnier – Place de l’Opéra, 75009, Paris.
Aberta para visitas todos os dias das 10h às 17h (julho e agosto até 18h).
Metrô: Opéra (linhas 3, 7 e 8), Chaussée d’Antin (linhas 7 e 9) Madeleine (linhas 8 e 14), Auber (RER A)
Ônibus: Linhas 20, 21, 22, 27, 29, 42, 52, 66, 68, 81, 95

Helena Ribeiro é brasileira, atriz e mestre em Estudos Teatrais pela Universidade Paris 8. Atualmente cursa o segundo ano de História da Arte e Arqueologia na Universidade Paris-Sorbonne e organiza passeios culturais guiados por Paris junto com sua amiga, a também brasileira, Caroline. Para saber mais sobre os passeios, clique aqui.