Receita vichyssoise

Eu adoro cozinhar, mas sem muita complicação. Quando a receita começa a ficar difícil, cheio de normas, medidas e temperaturas, eu pulo. 

Então, costumo inventar, adaptar e procurar versões fáceis e gostosas.

Para o jantar de hoje fiz uma dessas “adaptações”. Tinha batata e alho-poró na geladeira. Resultado: crème vichyssoise, um clássico francês, mas, à ma façon*.

Diz a lenda que o creme original foi criado pelo chef Louis Diat, do hotel Ritz de Nova Yorque em mil novecentos e bolinha… Ele fez uma releitura de uma receita que sua mãe e avó faziam quando era criança, no interior da França. Passou a chamá-la de creme vichyssoise em referência ao município de Vichy, que ficava perto da sua cidade natal.

A verdadeira vichyssoise demora um pouco mais pra fazer do que a minha, ainda mais se você for preparar o caldo de galinha como manda a tradição. Além disso ela leva bastante creme de leite, o que faz dela muito mais calórica que a minha versão adaptada 🙂

Pois então chega de historinha e vamos à receita:

– 6 batatas pequenas

– 1 talo de alho-poró picado

– meia cebola média picada

– azeite

– 1 cubo de caldo de galinha

– água

– 1 copo de leite

– sal

– noz-moscada

Descasque e corte as batatas em cubos e leve para cozinha até que fiquem molinhas. Em uma panela anti-aderente, coloque um pouco de azeite e refogue a cebola picada. Adicione o alho-poró. Salpique um pouquinho de sal e cubra a panela. Deixe cozinhar em fogo médio até que fiquem molinhos.

Depois que o alho-poró estiver molinho e as batatas também, junte os dois em uma panela funda. Dissolva o cubinho de caldo de galinha em um copo de água morna e adicione aos legumes. Triture tudo com um mixer (ou no liquidificador) até que fique um creme homogêneo. Depois, leve ao fogo médio e acrescente o copo de leite. Corrija o sal se necessário. Adicione um pouquinho de noz-moscada.

Se o creme estiver muito grosso, acrescente mais leite até ficar na consistência de uma sopa cremosa, mas não rala.

A vichyssoise original é servida fria, e fica um charme se chegar à mesa na entrada, em forma de verrine. Mas nos dias mais frios, como hoje, eu gosto dela quentinha…  Enfim, dos dois jeitos é uma boa pedida. Ah! essa receita rende umas quatro porções.

Bom apetite!

*à ma façon = do meu jeito