Hôtel des Invalides

© Paris Tourist Office - Annemiek Veldman
© Paris Tourist Office – Annemiek Veldman

O Hôtel des Invalides é um lindo monumento parisiense que hoje abriga um vasto museu militar com um acervo sobre  todas as guerras vividas pela França. Localizado no sétimo distrito, a cúpula dourada da capela que fica no complexo pode ser vista de vários pontos da cidade.

HISTÓRIA
Antes de 1670, os velhos combatentes que não estavam mais em condição de lutar e os soldados mutilados, viviam, em grande parte, vagando pelas ruas de Paris, mendigando e “perturbando” a ordem social. Para tirar esses homens da rua, Louis XIV, o rei Sol, decide construir um hospital para acolher e cuidar dos feridos que lutaram pela França. Segundo o monarca, o espaço seria construído para que “aqueles que expuseram as suas vidas e derramaram o seu sangue pela defesa da monarquia (…) passem o resto dos seus dias na tranquilidade”. Apesar do belo discurso do rei, sabe-se que a sua verdadeira intenção era retirar os mendigos das ruas já que de certa forma eles denegriam a imagem da cidade e de seu reinado.

A construção do hospital-hospício começa em 1671 e o projeto foi confiado ao arquiteto Libéral Bruant. Em estilo clássico, o prédio conta com várias alas organizadas em volta de um pátio central.

Os primeiros pensionistas se instalam a partir de 1674 e, alguns anos depois, no final do século XVII, o lugar já já conta com cerca de 4000 pessoas. Na época da sua construção, o Hôtel des Invalides ficava fora de Paris e funcionava como uma pequena cidade. O complexo possuía um hospital militar, alojamentos, enfermaria, refeitório, salas para ateliers, manufatura e uma igreja para os soldados, a Cathédrale de Saint-Louis-des-Invalides.

LE MUSÉE DE L’ARMÉE
Com o tempo, muitos dos espaços foram adaptados e hoje o lugar acolhe o Musée de l’Armée, museu militar nacional francês. Divido por seções, há uma área dedicada às armas e armaduras (a terceira coleção mais importante do mundo), o departamento moderno (período de Louis XIV até Napoleão III), uma ala sobre as duas grandes guerras mundiais, outra sala dedicada exclusivamente ao general Charles de Gaulle, um departamento de pinturas e esculturas, uma sala de artilharia e uma biblioteca. O museu é incrível e vale a pena ser visitado. Sua enorme coleção reúne uniformes, espadas, punhais, objetos da vida cotidiana dos soldados, canhões, filmes documentários, pinturas e arquivos nacionais, fotografias e mapas.

PANTEÃO MILITAR
Depois de conhecer o museu você pode terminar o passeio fazendo uma visita ao ilustre residente do Hôtel des Invalides, Napoleão Bonaparte! Seu túmulo é uma das maiores atrações do lugar. Construído em 1861 por Visconti, ele está situado na capela real, sob uma cúpula dourada, dentro de um enorme sarcófago vermelho. Napoleão Bonaparte morreu exilado na Ilha de Santa Helena, em 1821 e, alguns anos depois da sua morte, seus restos mortais foram levados à Paris. Ele está enterrado na companhia dos seus dois irmãos, Joseph e Jérome Bonaparte, e de seu filho, François Bonaparte (Napoleão II). Várias estátuas simbolizam as campanhas militares de Napoleão e estão colocadas em volta do túmulo para olharem para ele durante seu repouso eterno. Conhecido como o panteão militar, esta capela acolhe também os restos mortais de outros combatentes ilustres franceses.

Aqui no Le Plat du Jour já foi publicado um passeio em vídeo pelo Hôtel des Invalides. Para assistir, clique aqui. 

COMO ACESSAR
Hôtel des Invalides. 129 Rue de Grenelle. Paris – 75007
Metrô : Invalides (linhas 8 e 13), Varenne (linha 13), La Tour-Maubourg (linha 8)
Horários de funcionamento do Musée de l’Armée: abre todos os dias, exceto nos feriado de 01 de Janeiro, 01 de Maio e 25 de Dezembro. De 1 de abril a 31 de outubro das 10h às 18h. De 1 de novembro até 31 de março das 10h às 17h.

Helena Ribeiro é brasileira, atriz e mestre em Estudos Teatrais pela Universidade Paris 8. Atualmente cursa o segundo ano de História da Arte e Arqueologia na Universidade Paris-Sorbonne e organiza passeios culturais guiados por Paris junto com sua amiga, a também brasileira, Caroline. Para saber mais sobre os passeios, clique aqui.